BLOG

22 de março de 2019

Hoje o mar está calmo. Penso que é um sinal que tu me mandas, Uma nova pele sobre os mesmos ossos Costurada pela luz turquesa da manhã. Eu te faço um colar de gotas d’água Para ficares perfumada de mar, Enquanto dormes com sereias Entre as taças de cristal da festa de ontem. As nuvens…

22 de março de 2019

Você está certa! Foi divertido me acostumar com os seus trejeitos e seus valiosos talismãs guardados na bolsa: Uma moeda japonesa com um quadrado vazado, uma medalha da Capela da Medalha Milagrosa e aquela pedra verde que você chamava de Magnesita. Você ainda chora em comerciais de TV? Com cebola cortada? Com poemas medíocres sobre…

E por que a gente não dirige até o Uruguai? Aqui tem tudo o que precisa para seguir viagem. Você pega a primeira parte que é mais cansativa, depois eu me encarrego da direção; aí, você pode dar uma cochilada. Ouvi dizer, as frutas do Uruguai são deliciosas… E eu sempre quis conhecer os pampas,…

22 de março de 2019

Para Gabriela …eu levo o seu coração(eu o levo dentro do meu coração)eu nunca estou sem ele… e. e. cummings Quando o amor é um beijo Ou uma palavra Que me assombra o dia inteiro, Saída dos versos de algum poeta morto; Quando o amor é um sonho Ou algo mais denso do que o…

22 de março de 2019

I Sinto que alguém nos espia… E não adianta fechar o dossel e sussurrar palavras de desencanto – nós não sabemos o que falamos e, indiferente, nossa voz persiste sem substância. Talvez algum medo comum tenha conseguido nos colocar juntos neste lugar incomum e improvável. — A homilia, hoje, foi esquisita e não me tocou,…

Não faz diferença entre morte e vida Quando se leva, verdadeiramente, Essa lembrança, essa dor reprimida No corpo todo, que só a alma sente. Tanto padecer e penas contidas, Mil torturas; por fim, vem a semente Da esperança, que dorme entorpecida, Abranda o choro e chama o sonho ausente. Há males perpétuos, mas há feridas…

No ar morno e úmido que exsuda do asfalto e dos pátios cimentados desta numerosa cidade e seus arrabaldes, a luz reluta em quebrar-se em cores para cicatrizar tantos lugares inúteis. O céu é uma espada cinza que paira sobre as cabeças — desoladas auroras — esquinas, supermercados, casas e igrejas, subúrbios e puteiros que…

22 de março de 2019

Juro que era sem querer quando eu ignorava a sua companhia, “Não tenho tempo!” — era meu subterfúgio. Falei muito, ouvi pouco; lutei as batalhas vencíveis, e as invencíveis ainda me chamam pelo meu nome. Preferi o poente ao nascente; a solidão à multidão; preferi a poesia à realidade; o mar à montanha. Ainda assim,…