FUMAÇA

[contact-form-7 404 "Not Found"]

FUMAÇA


19 de março de 2019
Tags:

Estrangeiro na própria pátria,
encosto as costas cansadas
na parede fria.

Vai, besta, sai só de camiseta!
(Pensa o local quando me vê)

O haze de Curitiba no lusco-fusco,
indefectível,
tem o gosto bílis do passageiro:
Como as formas da fumaça.
Como as figuras de nuvem.
Como a vida, mesmo centenária.

Vai, besta, sai só de camiseta!

Na falta do colarinho,
(que pelo menos faz que protege)
a umidade da parede congela a pele,
arrepia os pelos e aguça o sentido do efêmero:
do tempo e sua infinitude.

E meus versos não serão mais meus:
Serão de quem os lê,
para reescrevê-los,
a cada cabeça e a cada sentença.

Deixe um comentário