ARTIGOS

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Últimas atualizações


“Não estar morto não é estar vivo”

“NÃO ESTAR MORTO NÃO É ESTAR VIVO” Publicado originalmente em O Duque. O título faz todo o sentido. Aliás, o aforismo não é meu; é de e. e. cummings — escreve-se assim mesmo, em minúsculas —, poeta, dramaturgo, roteirista e pintor norte-americano que, apesar de não ter tido, à época, o reconhecimento da crítica, teve…

Hipertexto e “As Coisas de João Flores”

Hipertexto e “As Coisas de João Flores” (ou Da importância no arco-íris aprisionado em uma bolha de sabão) Publicado originalmente em O Duque. Dia desses, recebi um convite muito bacana para tomar uma cerveja com o Ademir Demarchi e o Zé Flauzino. Já conhecia Flauzino; Demarchi, só pelos textos e poemas. Maringá, noite curitibana e…

ANA C.

ANA C. Publicado originalmente em O Duque. “Well I’m gonna show you baby that a woman can be tough” (Janis Joplin) Acordo com essa música da Janis na cabeça. Engulo um café de hotel, morno. Detesto café morno. Sei, sei… já estou atrasado e o trânsito de São Paulo, com certeza, não irá me ajudar…

Una poesia pra Allá de muito exquisita

Una poesia pra Allá de muito exquisita Publicado originalmente em O Duque. Só para ambientar a coluna, peço que leiam este soneto: burguesa patusca light ciudade morena el fuego de la palavra vá a incendiar tua frieza ninguém consigue comprar a sabedoria alegria belleza vas a aprender agora com cuanto esperma se hace um buen…

Ars poetica

Ars poetica Publicado originalmente em O Duque. Na capa do Caderno G, do jornal Gazeta do Povo, uma reportagem sobre o lançamento de dois livros de poemas de um autor curitibano, Fernando Koproski, um jovem veterano poeta, tradutor e letrista. Até aí, tudo bem; é bacana ver um diário com tamanha relevância dar uma força…

A caixinha mágica e a tradução de poemas

A caixinha mágica e a tradução de poemas Publicado originalmente em O Duque. Gosto de traduzir poemas! Alguns do inglês, alguns do espanhol. Traduzir um poema tem o mesmo gosto de resolver o segredo de uma daquelas engenhocas vendidas por ambulantes nas praias do Nordeste, aquelas do tipo caixinha mágica; a gente olha, coça a…

Pílulas azuis e vermelhas e três poetas do Paraná

Pílulas azuis e vermelhas e três poetas do Paraná Publicado originalmente em O Duque. “Não sou pessimista, sou um otimista informado!” Li este aforismo num texto do Cristóvão Tezza; não procurei no Google para saber se o dito seria uma paráfrase de outro escritor. Sem o oráculo, fica o crédito para o Cristóvão. É que…

Três poetas, quatro estradas e vários caminhos

Três poetas, quatro estradas e vários caminhos Originalmente publicado em O Duque. A vida é uma viagem! Sei que este é um velho clichê usado por letristas de música, poetas ou, algumas vezes, em cartões que acompanham flores; tão clichê quanto aquele que diz que o que importa é a viagem em si e não…

A fôrma e o bolo, a forma e o poema

A fôrma e o bolo, a forma e o poema Publicada originalmente em O Duque.   Na sala de embarque lotada do aeroporto, voo atrasado, a passear por vários sites numa internet lenta, deparei-me com o blog “Amigo de Montaigne”. Particularmente, a seguinte passagem, parafraseada: Émile Faguet, escritor e filósofo francês do século XIX, publicou…

Edward James

Edward James, 1907–1984 Publicada originalmente no Jornal Cândido Dia desses, um sábado, eu estava meio cansado da vida, com uma preguiça daquelas que assola meio país depois do almoço, sentei para brincar de zapear a TV (se é que existe este verbo) e, ao mesmo tempo, meditar um pouco — um eufemismo para “pensar na…